Archive for Maio, 2013

h1

Vadiar

Maio 30, 2013

O andar de um louco e sua metralhadora de ofensas nas mãos
Não desisto de viver, fodo com o conviver
Melhor se fosse aquela estátua inútil do Borba Gato
observando carros e sendo ignorado
Você me deixou…mais forte

h1

Pierre

Maio 17, 2013

Pierre Masato :

meus Amigos

vivem na noite
sentem a dor do açoite

seguem pra lugar nenhum
amam as mulheres demais

voltam na aurora fria
o sereno é a sua companhia

deitam em berço esplendido
sonham morrer sem medo

h1

Paulo Picanha

Maio 17, 2013

Paulo de Tharso escreveu, me mandou pra fazer uma música pra variar:

Os olhos de Deus
Quando é tarde, quando é demais.
Quando a gente não fala mais
Quando é urgente permitir
Que o outro fique sem sorrir
Quando é preciso, ficar sozinho.
Deixar o outro em seu caminho
Sabendo que o fim da noite
Termina sempre com um copo vazio
Quando é preciso, seguir em frente.
Nada nos bolsos, tudo na mente.
Quando é preciso esquecer do rosto
Que antes deixava você contente
Quando é preciso, enfrentar os breus.
Um revés da vida, enterrar os seus.
E contar apenas, com a incerteza.
Da existência dos olhos de Deus

 

(Paulo de Tharso)

h1

All you need is music

Maio 14, 2013

Nunca deixo a música terminar
A vida sem trilha sonora não me cabe
Os sons perpetuados, as músicas que ouço sem parar
Dão as cores pra esse mundo que não inventei
Assim fico quase bem com tudo
Não estou em lugar algum sem ela
Com ela acredito em lugares melhores
Me coloca em lugares melhores de olhos fechados
Não existe vida sem música

h1

dia das mães

Maio 13, 2013
Domingo. Acordo e aproveito que aqui no centro de São Paulo não tem dia melhor pra dar um gás de skate por aí. Curto o sol um tempo e volto pra casa, tenho que tocar com meu brother Alexandre Brunchport em algum lugar… Quando um brother e parceiro de som me chama pra tocar nunca pergunto quanto rola de grana nem quem vai tocar com a gente. Pra eu chamar de brother sei que vai valer a pena.
E passei um mais que atípico Dia das Mães. Po, já toquei em penitenciária e num número perdido de cidades e bares do Brasil e fora dele, mas foi a primeira vez que toquei numa casa de chá! Minha mãe ficaria orgulhosa. Minha avó até! Se fosse viva. Pra quem foi calejado tocando em espeluncas de todo tipo foi bacana ter como público crianças de 10 anos ou menos correndo pra tudo que é lado enquanto seus pais(e avós) comiam, descansavam e batiam palmas pros blues que a gente fazia…. e valeu, Alan! Por manter aquela xícara florida ao meu lado cheia com Jack Daniels escondido…
 
h1

Maio 9, 2013

 

Se você mora em São Paulo, gosta da urbanidade maluca e vívida, é blueseiro como eu e não aparece pra se divertir nessa jam de blues, cheque seu pulso. Você pode estar morto e não sacou.