Archive for Janeiro, 2012

h1

meus pais vivos. Quem sangrou em praça publica foi o Linguinha

Janeiro 27, 2012

Oi, filhote. Tudo bem? Que correria sua vida  naqueles dias, não? Mas deu tudo certo, né? Gostei muito de te ver, principalmente de te ver sorrindo, gargalhando até. Pena que teu humor oscila, não se mantém estável. Filho, este ano completamos 70 anos de idade; assim não temos mais muito tempo de vida. Acho que está mais que na hora de voce resolver as diferenças que tem conosco numa boa  terapia, antes de nossa ida. Brigar com fantasmas não é nada bom. Outra coisa: Eu poderia te mandar 200 ou 300 reais todo mes, se voce estiver precisando. É só me dizer. Tá bom? Beijos. Te amo.

(Cirlene Brum, minha mãe viva que teve um AVC)

h1

ae jão, desculpa que voce merece

Janeiro 27, 2012

ando complacente demais…e o perdão é de ninguém

(fabio brum)

por isso aprendi, apreendi,  a pedir desculpas depois de  uma boa idade… ando, ainda,  ando vivo, dizem por aí.    se não sacar o video.

tenho bons amigos poetas de londrina. Vivos…mortos

domingo, 30 de janeiro de 2011

“Amar você é coisa de minutos…”, Paulo Leminski, poema

Amar você é coisa de minutos
A morte é menos que teu beijo
Tão bom ser teu que sou
Eu a teus pés derramado
Pouco resta do que fui
De ti depende ser bom ou ruim
Serei o que achares conveniente
Serei para ti mais que um cão
Uma sombra que te aquece
Um deus que não esquece
Um servo que não diz não
Morto teu pai serei teu irmão
Direi os versos que quiseres
Esquecerei todas as mulheres
Serei tanto e tudo e todos
Vais ter nojo de eu ser isso
E estarei a teu serviço
Enquanto durar meu corpo
Enquanto me correr nas veias
O rio vermelho que se inflama
Ao ver teu rosto feito tocha
Serei teu rei teu pão tua coisa tua rocha
Sim, eu estarei aqui

http://letras.terra.com.br/cazuza/85065/

Cazuza

Nunca viram ninguém triste?
Por que não me deixam em paz?
As guerras são tão tristes
E não tem nada demais

Me deixem, bicho acuado
Por um inimigo imaginário
Correndo atrás dos carros
Como um cachorro otário

Me deixem, ataque equivocado
Por um falso alarme
Quebrando objetos inúteis
Como quem leva uma topada

Me deixem amolar e esmurrar
A faca cega, cega da paixão
E dar tiros a esmo e ferir
O mesmo cego coração

Não escondam suas crianças
Nem chamem o síndico
Nem chamem a polícia
Nem chamem o hospício, não

Eu não posso causar mal nenhum
A não ser a mim mesmo
A não ser a mim mesmo
A não ser a mim

h1

8 da manhã de uma segunda-feira em Presidente Prudente

Janeiro 16, 2012

Agora são 8 da manhã. Tempo atrás eu sempre tava acordado ainda, nesse horário. Nos últimos tempos me perco, tentado definir se é  já ou ainda acordado. Não tá fazendo diferença. E também isso não é necessariamente algo ruim. Tô de pé ou deitado. Não tô caído nem caindo. Levantando. Me disseram por aqui que tô ficando aqueles bêbados velhinhos que primeiramente ficam quietos, sozinhos, e depois procuram em paz um lugar pra encostar a carcaça por um tempo. e dormem um pouco. Espero de verdade que eu esteja me tornando esse cara que disseram. Espero. Na minha vida de conquistas baratas essa me vale um bocado. Quem me conhece é quem me compra.

Curtir ·  · Seguir (desfazer) publicação · Compartilhar · Excluir

h1

Pulhas – ainda monto uma banda com esse nome

Janeiro 15, 2012

Bebida por anos a fio
amores por anos a fio
uma suicida com quem morei se joga da passarela na minha frente
ela era linda, todos diziam
cale a boca! Sou louco não cego
um velório, que ainda não é o meu, que não pude entrar nem nunca quis. Quem quis? Quem quiser. Dei uma pequena flor pr’uma tia sua que foi muito legal comigo na frente daquele cemitério que parece um prédio de apartamentos, em Santos… Espero que ela tenha colocado do seu caixão como pedi… one last and goodbye way to kiss you…to please you…

virei as costas e nunca mais voltei… lembro do Cassiano me encontrando num posto de gasolina perto da praia… Pô, meu amigo. Até nessa hora você tava por lá? Você tá sempre ali, né? Consegue me fazer rir em hospitais, como foi da última vez, enquanto a Tamara segurava a bronca com o lado feminino da minha última cagada…em hospitais, digo…

Tal livre arbítrio, né? Pouco merecido algumas vezes. Parece que deus não manda nada aqui embaixo, nessas horas. Você mandou. Eu me mandei. Dali, de você e de mim. E só. Só. “Sou só. Sou só solidão” (do Catalau essa, entra um puta solo do grande Hélcio Aguirra em seguida! grande Golpe de Estado…

Ter como última lembrança sua, ‘voando’ de cabeça pra baixo, till hit the ground, já não me machuca tanto. Já descontei nos outros, né? Em você, bela namorada que sacou quem sou e se mandou. Certa mais uma vez.

O que me resta? Pau que nasce torto pra esquerda, morre torto pra esquerda… ha!

E você, meu irmão?

Vê se fica frio que minha vida ainda não está por um fio, não… Eles erraram de novo, né?

E quando eu empunhar minha guitarra mais uma vez, cante seus blues comigo

que eu sigo rezando apenas uma oração: aguente o tranco, meu fígado!!

h1

Blues da Solidão – Renato Fernandes

Janeiro 15, 2012

‎”Eu vou cantar um blues pra quem vaga na noite sozinho
atrás de migalhas de carinho
pra quem não tem medo e vai fundo
e tá largado nesse mundo
eu vou cantar o blues da solidão”

(Bêbados Habilidosos, uma banda que curti e bebi por anos a fio…)

 

h1

head is on a highway, somewhere

Janeiro 9, 2012

Quem me conhece sabe que não bato muito bem das bolas… e tem épocas que isso piora um bocado.. Insanity is my middle name. Já aprontei bastante e não melhorei em nada nesses últimos 40 anos… sempre quando quero, vago a esmo por cidades suspeitas e acabo com frequência em lugares como Salto del Guairá no Paraguay, enchendo a cara de whisky escocês por dias a fio e frequentando cassinos mal frequentados instalados estranhamente em shopping centers … só que hoje em dia não embarco ninguém nas minhas trips de parafusos soltos… só meu skate. Em países onde “vendedores” te perguntam na rua, ‘coca? coca? marijuana? marijuana’ você tem que estar pronto. E se estiver com alguém, esse alguém tem que estar contigo pro que der e vier, senão a diversão acaba logo, saca? E, às vezes, quando a farra termina em lugares insólitos assim, e você acorda, meio troncho, tem que saber: não serão apenas as mesas de bar que você vai encontrar meio destruídas… sua cara poderá precisar de titânio pra ser consertada e/ou, estando tudo bem fisicamente, você vai querer fazer um gargarejo com whisky paraguaio às 6 da manhã, sorrindo prum espelho trincado, buscando colocar a alma dentro do teu corpo novamente, pra ter a certeza que está tudo bem… Ha! That’s the way I like it! Bom, tem gente que gosta de novela, né? Droga pesada como essa eu não uso, não. Morro de medo. Tem gente que sonha? Sou bom nisso também não, então só me resta viver. Do meu jeito. Um dia morrer, esperando que também seja do MEU jeito… e como diria Clay para um padre que lhe passava um sermão no seriado Sons of Anarchy, “Não tire minhas trangressões…elas são tudo o que me resta….”

PRIMUS PRA LUCIDAR

 

ainda em tempo:

“Pau que nasce torto pra esquerda, morre torto pra esquerda.”    Meu caso…

h1

Pegue a estrada, Brum, e não volte mais…frase de mulher pra mim e pro Ray Charles….

Janeiro 3, 2012

Tenho andado bastante sozinho nos últimos meses. Andado, rodado e voado por vários lugares. Só nos últimos 15 dias (saí de São Paulo dia 15) passei por uma pá de cidades: Dourados, Campo Grande, Fátima do Sul, Anastácio (onde dormi no meio do mato em cima de uma urtiga e minhas costas ainda coçam), Guarujá, onde acabei tocando num bar com desconhecidas –  vê que coisa?… e pelo jeito não vou parar nesse começo de ano. Meu brother e lenda do rock and roll brasileiro Sérgio Serra me convidou pra gravar um som em seu disco novo. É, vou ter que ir até Teresópolis pra isso e experimentar as tais cervejarias locais e tocar guitarra…e compor com ele…dureza, meu irmão! E umas das coisas que conheci no fim de ano, trouxe fotos pra provar (a garrafa  eu não traria… muito menos cheia): Um whisky escocês chamado DRUMMER – veja bem: baterista, em inglês – envelhecido 5 anos. 5 só? porra???!!   e paguei apenas 5 reais por ele em Pedro Juan Caballero, cidade fronteira com Ponta Porã – MS e terra natal no nosso amigo bunda nova Ayala. Bom, mas só queria dizer que ando ouvindo muito som no headfone e isso tem sido um resgate de um prazer muito antigo: andar a esmo ouvindo o que mais me toca nesse mundo: boas músicas. Quando garoto no começo dos anos 80, ganhei dos meus pais um walkman. Lembra disso? Gravava fitas k7 de vinis meus e de amigos e rodava por aí, enfiado num mundo particular que começava a me deslumbrar no começo da adolescência: música em forma de rock and roll – blues. Isso começou a moldar o maluco que sou, o guitarrista débil, que hoje tá  com 40 anos. E mais moleque e mais largado e mais rockeiro do que nunca…

Valeu Led Zeppelin, valeu Johnny Cash, valeu família, valeu T-Bone Walker, Barão Vermelho, Golpe de Estado, etc…todos os sons que aprendi a ouvir na rua, com amigos mais velhos guitarristas santistas que alguns já até morreram (Como o Olímpio do Angel – saudações, cara) e sebos de disco como Metal Rock discos do Pepe ou Toninho Kiss da galeria do Canal 4 no Embaré em Santos…

raras mulheres que me inspiraram e uma ainda inspira fazer música…

fiquem com esse som que eu vou socar mais um pouco esse violão que tá aqui comigo… dizem as más línguas que com esse cara do lado, eu fico bom de briga…

http://www.youtube.com/watch?v=hP67H4qfe5w