Archive for Abril, 2011

h1

Abril 29, 2011

O cara não precisava fazer mais nada na música, depois desse som…mas fez…produzido por George Martin…o cara que na década antetior produziu aqueles quatro meninos de Liverpool…

Eu e o Ziggy no Café Aurora…

h1

Cockroach

Abril 27, 2011

BARATAS ALONE

As baratas vão me devorar

e na barriguinha delas

fragmentos dos meus neurônios

ficarão estacionados

então

se você ver por aí

uma barata

chapadona

declamando chacal

citando Reinaldo de Moraes

cantando Amado Batista

mancando da patinha direita

dando bandeiras pelo centro

deixe-a em paz

posso estar ali dentro

(Márcio Américo)

h1

Marcelo Montenegro

Abril 26, 2011

Poema Estatístico

Tem uma esquina prenha de um latido.
Trechos de pássaros que permanecem
nos muros que ficam. E vice-versa.
Um e-mail anotado às pressas no canhoto do tintureiro.
A cirrose portátil. A síndrome do pânico.
O enroladinho de presunto e queijo.

Tem a Mulher mais Linda da Cidade.
Groupies de cabelo rosa. Poodles
da solidariedade. Alguém chorando lágrimas
de tubaína. Penélopes Charmosas.
Dick Vigaristas. Um cara que já sai desviando
do cinema del arte, evitando ser atingido
por alguma conversa perdida.

Tem a mulher da vídeo-locadora
que não conhece o filme que estou procurando.
Um amigo que diz que escreve só para colocar epígrafes.
Taxistas infláveis. Manicures em chamas.
Um casal que desce a rua na banguela
prolongando a gasolina daquilo tudo
que um dia fora. Eu ando apaixonado
pela mulher da vídeo-locadora.
Lendo revistas na sala de espera
do consultório dentário. Tem uma
que venta. E um que desiste.
De arranhar os vidros do aquário.

Marcelo Montenegro
(de Orfanato Portátil, 2003, Atrito Art Editorial)

h1

La Carne

Abril 26, 2011

‎”Eu vejo um anjo e um demônio vindo em minha direção, acendo meu cigarro e digo, ei, qual de vocês veio me levar?….quem vai me levar??…..Ninguém!!!” –

Linari, letrista e vocal do La Carne nesse vídeo aí.

h1

SACO DE RATOS

Abril 25, 2011

Sabe, nunca tive orgulho de nada que eu tivesse feito na minha vida. Isso pode soar triste e talvez seja. Mas fui bancário, formado em direito e professor por anos. Não dá, né? Respeito as profissões, mas nada me disseram ao coração, de verdade. Até gostei de dar aulas um tempo. Curtia ver crianças crescendo, se tornando adolescentes. Eram bonitos ( e muito bonitas, claro!) de se ver caminhando. E eu ali, fazendo parte desse crescimento, de certa forma. Dei aulas por 6, 7 anos e nunca comi uma aluna. Eu juro!!! Era sempre outro nivel de relação. Era paternal, fraternal….Mas isso tudo ficou no passado…. Hoje posso afirmar que tenho UM orgulho real comigo, de algo que faço. Tenho orgulho mesmo da banda que tenho. O Saco de Ratos. Orgulho das músicas que componho com Marião, orgulho de  poder andar com os caras com quem toco. Respeito os sons que tiramos e as pessoas que o fazem. Respeito como músicos e como seres-humanos. Sabem ser amigos e aprendo muito com os quatro. Mesmo. Se fosse começar falar das qualidades de cada um, escreveria um livro. E isso é um prazer pessoal meu e nem acho que os caras gostariam de ser expostos aqui. Eles são umas figuras bem discretas. Mesmo com luzes no cabelo, né, Watanabe? Guardo o grau da amizade que tenho com cada um deles. E o prazer que tenho de fazer o som com esses malacos é vital pra mim; e  deriva da interação rara que esses Ratos têm… Depois do som rolando azeitado, se alguém gostar, caia pra dentro do barco e a gente se diverte todos juntos…Música. Ou você acha que existe alguma outra forma de se aproximar facilmente de Rick Vecchione que não seja pelos ouvidos?? E que ele tá sempre ali,  firme e sólido não deixando esse barco guiado por bêbados virar? Ou você não sabe que o Pagotto carrega uma mala que tem de tudo, incluindo cordas de guitarras, palhetas e fusíveis para amplificadores valvulados (amplificadores de baixo são transistorisados, normalmente)? E que ‘meu’ cabo de guitarra e ‘meu’ afinador não são meus, são dele. Ou que o Watanabe é capaz de me emocionar enquanto sola de maneira serena, sensata e melódica que eu jamais conseguiria nessa vida….minha onda é outra…Ou que às vezes sou tirado de puxa-saco ( e isso pode realmente me irritar além da conta) mas sou realmente amigo desse animal do Bortolotto? Que eu admirava muito seus escritos mas não o respeitava suficiente como cantor pra ter um trampo mais a sério juntos? E não queria colocar o carinho e amizade em risco  só pra montar uma banda, ainda que a melhor que eu tive em 22 anos de músico de boteco. Não sou fácil de lidar. Me controlar direito nunca foi o meu forte. Já perdi pessoas demais pelo caminho pra poder me dar ao luxo de afastar amigos caros por mau-comportamento. Preciso melhorar……Nem sei bem pra onde foi esse ‘papo’, mas queria só falar que adoro estar no palco com essa banda. E nunca foi pelo palco. O palco pode ser o canto de uma sala que já tá bom, se for com esses caras. Se forem com essa musicalidade. Nunca é pelo holofote aceso. Pra mim, sinto realização por achar que o som que fazemos já chega aos pés do som de nossos ídolos. E isso já é bem mais do que um dia sequer imaginei  que faria. Nunca soube pra onde tava indo nessa vida estranha. Continuo não sabendo…Não sei bem o que significa querer as coisas. Tá tudo certo, acho. Daquele jeito todo errado, sem esquadro pra consertar, né, Pierre?

h1

Marisa Lobo

Abril 24, 2011

Videobook da Marisa Lobo, ex-namorada com quem morei junto. Ela faleceu há um bom tempo já.  Suicídio. Se jogou de uma passarela do centro de São Paulo na minha frente. A gente não tava nada bem na época. Ela levou a pior. Eu ainda tô aqui. E tô bem.  Penso sempre nos pais dela, que nunca mais vi. Espero só que eles hoje consigam conviver com isso. Foi difícil pra mim mas não sou pai. Acredito que nada deve se comparar a dor deles. Sinto por isso. Sinto por eles. Desculpe.

Vídeo feito pelo Marcelinho Montenegro, com seu belo poema.

h1

Frank

Abril 24, 2011

Zappa me divertindo com amor sujo….