Archive for Outubro, 2010

h1

I want to ride my bicycle

Outubro 31, 2010

E pego minha bicicleta e me mando pelas ruas quase desertas de São Paulo. Bom pra cabeça. Vou observando, sacando construções antigas, pontes. Passo por trilhos de trem. Me sinto bem. Curto esse programa que sempre fiz sozinho por aqui. Sem ninguém. Uma companhia feminina agradável seria bacana, mas nunca rolou. Já voltando me deparo com uma feirinha bem bacana na Pça da República. Badulaques e penduricalhos hippie. Muitas barracas com rango diversificados. Um tempurá com guaraná me cai bem. E assim ganho do tédio dominical…Hoje nada de tocar blues. Mas amanhã acompanho nossa amiga Nu Vitaliano na Coletivo Galeria. Vou nessa…

Repertório? Otis Redding, Billie Holiday, Eric Clapton, Cazuza, Fabio Brum e Mario Bortolotto, George Harrison, Freddie King…que me diz? Tá legal pra você?

Anúncios
h1

Carente Profissional

Outubro 31, 2010

Curto esse som:

Tudo azul

 No céu desbotado

 E alma lavada

Sem ter onde secar

Eu corro, eu berro

 Nem dopante me dopa

A vida me endoida

Eu mereço um lugar ao sol

 Mereço ganhar prá ser

Carente profissional Carente…

Se eu vou pra casa

Vai faltando um pedaço

 Se eu fico, eu venço

Eu ganho pelo cansaço

Dois olhos verdes

 Da cor da fumaça

 E o veneno da raça

Eu mereço um lugar ao sol

Mereço ganhar pra ser

 Carente profissional Carente…

Levando em frente

Um coração dependente

Viciado em amar errado

 Crente que o que ele sente

 É sagrado

 E é tudo piada

 E é tudo piada

 Eu mereço um lugar ao sol

Mereço ganhar pra ser Carente profissional Carente…

(Cazuza e Frejat)

 

 

-=-

 

-=-=-=-=-=-

 

“às vezes eu amo, e construo castelos

às vezes eu amo tanto que tiro férias e embarco num tour pro inferno…”

(Cazuza)

h1

uma tradução minha de Vision of Paradise

Outubro 29, 2010

Não venha me dizer quando algo é bonito

 Não diga como tenho que falar com meus amigos

 Só me fale os nomes das estrelas do céu

 Qual sua música preferida

 O nome dos amantes que você teve antes d’eu aparecer

 Não coloque os braços em volta de mim

Não me abrace forte

Porque eu poderia acabar me acostumando com sua visão do paraíso

E não me pergunte pra onde vai toda essa dor

Porque você faz com que eu sinta que não me conheço

 Você diz que me quer pra sempre

 E eu digo que o amor não é nenhum crime

 Então só me diga os nomes dos filhos que teremos no fim da linha

E não me deixe perto desse jardim de delícias terrestres

Porque eu poderia acabar me acostumando com sua visão do paraíso

Só use seu coração e não sua cabeça

Enquanto eu desmorono na sua cama

Eu sinto dor por você

Sinto eu me partindo em dois

Então não me diga quando devo voltar pra casa

Porque talvez seja essa a hora que você não vai gostar de me ver perto 

E não construa um mundo ao meu redor e não me abrace forte demais…

(Mick Jagger)

h1

HQ

Outubro 29, 2010

h1

R’N’R

Outubro 29, 2010

Tem umas levadas malandras e muito simples no rock. Steve Miller e Bob Seger são grandes mestres no assunto que sempre me inspiraram. Quer ter uma levada autêntica, firme e matadora de mão direita na sua guita? Ouve isso aê.

h1

FBMB

Outubro 29, 2010

Eu sei que ando mal acompanhado por aí, mas o que que eu posso fazer, hein?

h1

Golpe

Outubro 27, 2010

Lá por 1987 fui ao Circo Marinho em Santos e pirei com uma banda paulistana chamada Golpe de Estado. Passei a comprar todos os discos (em vinil na época) e ouvia sem parar. E pirava. Achava que retratava bem pra cacete a realidade de um rockeiro autêntico, seus sonhos e desvarios pelo cenário paulistano. Sem essa bosta de Caetano de São João com a Ipiranga. Pro inferno. Preferia e muito o que Catalau tinha a dizer a respeito. Sua visão da paulicéia desvairada.

Hoje à noite vou ver os caras. Gostei desse novo garoto, alcunha de Johnny Brechó, no lugar do Catalau, que resolveu pregar a bíblia e suas ladainhas na Bola de Neve. Azar o nosso. Perdemos um front man e tanto que acha que Deus, somente agora, está do seu lado. Quanta merda…

Cadê a porra do blog do Borolotto, hein?

Adoro esse cara empunhando a guitarra no Golpe: Hélcio Aguirra.