Archive for Outubro, 2008

h1

As garotas que seguimos até em casa

Outubro 31, 2008

as garotas que seguimos um dia até em casa

agora são mendigas

uma delas é aquela velha enrugada

de cabelo branco que te bateu com a bengala

as garotas que um dia seguimos até em casa andam com sondas em enfermarias,

jogam damas no passeio público

elas não mergulham mais antes das ondas quebrarem,

aquelas garotas que seguimos até em casa,

foram pra algum lugar,

algumas pra sempre,

e nós que as seguimos?

morremos em guerras, morremos do coração, morremos de saudade.

arrastando chinelos e falando devagar,

nossos sonhos são sonhos de TV, poucos de nós,

bem poucos de nós se lembram das garotas que seguimos até em casa.

quando o sol sempre parecia estar brilhando.

quando a vida se movia tão nova e estranha e esplêndida

dentro de vestidos que brilhavam.

eu me lembro

(Bukowski)

h1

The End

Outubro 30, 2008

Foram várias terças embriagadas por ácool, músicas e poemas nossos e de amigos que curtimos o trampo…que banda divertida da porra! Músicos excelentes e grandes amigos: esse é o Saco de Ratos.

 

Valeu, rataiada…

h1

Marcelo Nova

Outubro 23, 2008

“E a cada beijo do desejo eu me entorpeço e me esqueço…de tudo que eu ainda não entendi.”

Gosto dessa frase. A gente vive assim, muitas vezes. E aí vai a letra toda. Claramente uma over…

Quando eu morri em dezembro
De mil novecentos e setenta e dois
Esperava ressuscitar e juntar os pedaços

Da minha cabeça
Um tempo depois um psiquiatra disse
Que eu forçasse a barra
E me esforçasse pra voltar à vida
E eu parei de tomar ácido lisérgico
E fiquei quieto lambendo minha própria ferida
Sem saber se era crime ou castigo

E se havia outro cordão no meu umbigo
Pra de novo arrebentar
Pois eu fui puxado à ferro
Arrancado do útero materno
E apanhei pra poder chorar
Quando eu morri suando frio
Vi Jimmy Hendrix tocando nuvens distorcidas
Eu nem consegui falar
E depois por um momento
O céu virou fragmento do inferno
Em que eu tive que entrar
Eu sentia tanto medo, só queria dormir cedo

Pra noite passar depressa
E não poder me agarrar
Noites de garras de aço
Me cortavam em mil pedaços
E no outro dia eu tinha que me remendar
E se a vida pede a morte
Talvez seja muita sorte eu ainda estar aqui
E a cada beijo do desejo
Eu me entorpeço e me esqueço
De tudo que eu ainda não entendi

h1

Vôos

Outubro 23, 2008

Tudo é muito sério. Tava brincado com um amigo rockeiro que tem um certo medo de voar enquanto voltávamos pela TAM do Ceará. Escrevi para ele um quiz de música que ficaria bem nessas revistas chatas de vôo. Esse abaixo. Teste seus conhecimentos de rock and roll.

1) Por que o Lynyrd Skynyrd encerrou suas atividades em 1977 ?

2) Em qual ocasião que Buddy Holly, Big Bopper e Richie Valenz se viram pela última vez ?

3) John Denver morreu de velhice? Se não, dê resposta correta.

 

Ele não gostou muito da brincadeira naquele momento…

h1

Ceará

Outubro 19, 2008

Em Fortaleza. Já sou um puta preguiçoso por natureza, estando num lugar como esse então….fudeu! Até o sotaque dos nativos dá sono….

Vim pra tocar rock and roll e a gente se instala num hotel que fica a 3 passos do mar. Pra exagerar ainda tem piscina. Sair da piscina e entrar no mar realmente pode aliviar dias da tua existência….uma bela companhia feminina faria disso uma diversão e tanto…mas isso é raro.  Normalmente elas me remetem ao prazer da solidão.

h1

Ceará

Outubro 19, 2008
h1

E o Ricardinho Carlaccio escreveu sobre o show em seu blog

Outubro 14, 2008

Isso faz a diferença

Existem aqueles shows em que você vai ver um músico que admira e pronto. Mas existe aquele show em que os caras estão afins de celebrar simplesmente o fato de estarem vivos. E esse é o grande barato, ver os brothers metendo a boca na maçã  pra que o inferno seja um grande paraíso. Um grande zoológico em que velhos gordos e barrigudos congratulam sem hora pra parar. Olhar pro palco e pra platéia e não ver diferença alguma. Foi isso que aconteceu nessa última terça feira quando fui ver o Saco de Ratos Blues no Teatro X. Entrei com a minha garrafinha de conhaque e ela durou pouco tempo, na maior satisfação de estar entre amigos. Encontrei o grande Sandro Rocker e o Pedro Pellegrino por lá. Vi o grande Paulo de Tharso rasgando o verso, mesmo depois de uma cirurgia na boca feita a poucos dias atrás. Vi o  grande Bortolotto mandando letras vadias e certeiras, acompanhado por um cara maluco que leva uma Vida Brum. Até o Peréio tava por lá e  eu não tive como não lembrar do filme “Vai Trabalhar Vagabundo” em que ele tá num hospício com uma garrafa de pinga na mão  e quando oferece um pouco dela pro personagem do Hugo Carvana, ele diz:  “Essa é do norte”, se regozijando de estar fazendo a coisa toda como deseja.

É isso. Um bocado bacana ver os caras fazendo as coisas do jeito que gostam e se divertindo de verdade, Keep Walking numa Vida Brum.

 

                        (Ricardo Carlaccio)